sexta-feira, fevereiro 26, 2016

qUaNdO

Quando de repente o pano opaco se desvia e o silêncio se estende na cama, agora, vazia
Quando afinal o espelho reflecte a verdade dos dias e as palavras, abafadas, se mostram vazias
Quando de repente o caminho se mostra igual ao que sempre tememos, e numa lágrima salgada nos escondemos
Quando afinal na mesma pedra de sempre tropeçamos e nos lençóis frios nos deitamos
Quando de repente o omisso se insinua e a confiança, receosa, recua
Quando afinal tudo o que queremos é que a tempestade acabe e o coração, no peito, acalme

Quando já nada mais conta, os sonhos, por definição livres, acordam e fazem-nos recomeçar


Liliana


Enviar um comentário