terça-feira, fevereiro 20, 2018

mi nu tos

Pergunta aos minutos se vêm que as horas não chegam
Pede à vontade que se arrume ao lado do bule que o chá está servido
Senta-te ao meu lado, sem cerimónia, que os bolos não têm de estar inteiros no prato
Tira os ponteiros que correm ao contrário no relógio que o barulho do tempo invade o espaço 

Olha para mim e deixa os olhos falar que da boca só saem palavras mudas
Estende o sonho até mim e promete que tudo vai correr bem
Mata o silêncio que o medo invade a saudade
Pergunta aos minutos se os segundos vêm que as horas nunca chegam 

Liliana



domingo, janeiro 28, 2018

QUADRAnte

Porque me vieste buscar, boneca de trapos vestida para teu bel prazer
Se não queres coser os remendos? 

Porque me vieste buscar, relógio avariado, adiantado ou atrasado, quase nunca acertado com o teu
Sem a disponibilidade de calibrar os ponteiros e olear a engrenagem?

Porque que me vieste buscar, vela enfonada pelos ventos do oriente 
Se não trazes contigo o quadrante?

Porquê?

Porque me dizes que queres uma paz que não sabes(emos) construir?
Querêla-às de facto?
Existirà sequer?

Porquê?
Diz-me. 
Tu. 
Que me vieste buscar...


Liliana
  

Museu da Electricidade

segunda-feira, janeiro 08, 2018

de DENTRO para FORA

Gosto que olhes para mim.
Gosto de ver os teus olhos olhar-me. Perto dos meus.
Nua das tantas camadas que trago comigo.

Gosto de olhar para ti.
Gosto de sentir os meus olhos olhar-te. Junto dos teus.
Enquanto te aproximas de mim. 

Gosto que me olhes, olhos nos olhos.
De perto.
De tão perto que, quando olho para ti, sinto que me vês, assim, de dentro para fora. 


Liliana Lima 



(* oferecido e pintado pela minha prima Luísa Bruno)