sábado, dezembro 02, 2017

poeMas de aMor

Nunca me escreveram poemas de amor
Uma carta passada por entre as mesas da sala de aula
Um postal deixado na secretária
Um ramo de rosas vermelhas entregues à porta...
Mas nunca um poema de amor

Eu já escrevi algo parecido com poemas de amor
Aliás, quase tudo o que escrevo é um poema de amor
se o souberes ler, entenderás que o é, meu amor

É que a palavra AMOR não se diz na correria das horas
É feita dum cristal tão fino como o teu olhar, 
quando me olhas de perto, quase de dentro
A palavra AMOR, meu amor, é feita de muitas histórias
que se contam em todas as ruas e em todos os fados
e embora se pareçam iguais, são únicas e irrepetíveis

Nunca me escreveram um poema de amor
E agora que penso nisso, nem sei o que faria para o agarrar

É que o poema tem em si a força de todas as marés 
que se elevam nos oceanos ou se estendem na areia
E o peso absurdo de todos os luares 
que beijam a Terra e iluminam cada história
E a palavra, quando cantada, como poema,
torna-se fogo ou ventania, medo ou alegria

Nunca me escreveram poemas de amor
Nunca me disseram AMOR, assim com todas as letras
e por escrito, que tem sempre uma força maior do que o dito

Se um dia me escreveres um poema de amor, meu amor,
que seja alegre e suave, doce e leve
se diga, "cantando a toda a gente"
e se espalhe pelo mundo, assim, num vôo livre de andorinha
que abraça o céu azul e nele escreve, dançando
leve e inquieta, a nossa canção, AMOR 

Liliana Lima

 Baragem do Alvor, Igrejinha, Arraiolos

segunda-feira, novembro 27, 2017

CORpo

Do sentimento de dever cumprido 

Da tranquilidade de todas as mãos que se deram em comunhão e amizade
Da alegre surpresa ao ouvir as minhas palavras noutro corpo

Da paz de dizer até já a quem já está noutro tempo

Do orgulho dos dedos que soltam as notas do piano
Do prazer de ver tantos olhos conhecidos a descobrir o Corpo, que afinal já não é meu

Do agradecimento sincero, puro, às mãos que me ensinaram a andar

Da procura da palavra certa para dedicar a cada um em particular
Do cansaço do corpo que já espera outro amanhã 

Do sorriso grato a todos os que fizeram deste dia, este dia

Do sentimento de dever cumprido

Obrigada!

Liliana Lima



'Corpo'
de Liliana Lima
com ilustrações de José Pádua 
Editora: CEMD
10,00€ (portes de envio grátis)
Pedidos por mensagem / Facebook
www.facebook.com/LilianaLimaCorpo/

sexta-feira, novembro 10, 2017

pA.cI.êN.cI.A


pa·ci·ên·ci·a
(latim patientia, -ae)

substantivo feminino

1. Capacidade de tolerar contrariedades, dissabores, infelicidades.

2. Sossego com que se espera uma coisa desejada.

3. Perseverança.

4. Demora nas coisas que se deviam executar prontamente.

5. Sofrimento em pontos de honra.

6. Passatempo ou jogo de uma pessoa .

7. [Botânica]  Labaça.

interjeição

8. Designativa de resignação, conformidade.
____________________________________ 

pA.cI.êN.cI.a

Paciência, pedes-me tu.
Outra vez. Mais uma vez.
Toda a do mundo
digo-te eu. Repito eu.

Quanta paciência o mundo tem?
Pergunto eu a Jó
que me olha com desdém
ao cimo de uma nova subida.

Jogo de cartas, diz minha mãe
sorrindo debaixo de uma libelinha.

Sofrimento, sofrimento, sofrimento...

Procuro o sossego da espera.
Debaixo da almofada
não encontro nada.
  As bolinhas brancas  
  deste frasco fechado na gaveta
recusam-se a tolerar
a dor de cabeça que se demora
debaixo de uma libelinha.

Sofrimento, sofrimento, sofrimento...

Paciência, dizes-me tu.
Jogo de cartas, sorri minha mãe.

Peço a Jó que me deixe jogar 
a sua resignação
no tabuleiro do meu tempo.
Olha-me com desdém 
ao fundo de mais uma hora
que passa a ser dia
e se repete em semanas
que se demoram
nas Damas de copas 
que conversam debaixo de uma libelinha.

Resignação, resignação, resignação
Jogo de cartas, repete minha mãe


Liliana Lima