sexta-feira, agosto 08, 2014

eQuÍliBrÍo


Ando devagar entre os arbustos verdes ou secos
estou a aprender a caminhar sem perder o equilíbrio

Tenho o cesto cheio de palavras que preciso dizer
aprendo dia a dia a abafá-las no lápis na boca no teclado

Ainda me rói por dento prendê-las calá-las em mim
não sei processá-las assim, fechadas quase a sair
Doseio-as em caixas para não te inundar nelas
E no final do dia lá nos conseguimos entender
e dividir as boas das más que é sempre um acto
de interpretação e cumplicidade partilhadas

Ando entre os arbustos até ao cimo da arriba
daqui só se vê mar imenso azul espuma areia
daqui o vento só sabe cheira mar sal

Aqui é possível o silêncio



Liliana
Enviar um comentário