sábado, novembro 16, 2013

Jogas comigo?

Todos os dias amanhecemos peças de tabuleiro (mais ou menos) prontas a jogar.
Lançamos os dados a cada passo cada decisão cada avanço e, tantas vezes, cada recuo, sempre atentos aos jogadores que nos rodeiam, ao movimento das peças e ao avançar do jogo.

Na maioria dos casos as peças mantêm posições confortáveis sem grandes sprints ou dribles audazes com receio de sair do tabuleiro ou perder a bola.
Mas peças há que têm em si a liberdade de jogar fora do quadrado, de arriscar, de rematar de trocar de lugar e não reconhecer adversários se não a sua própria responsabilidade no jogo.

Mas e se, eu avançar com a rainha e, por descuido, a deixar desprotegida?
E se, eu arriscar a correr fora da pista, sem meta comum com conffetis e lacinhos, apenas eu e a minha vontade?
E se, por entre os outros, avançar até à bola e rematar à baliza, arriscando acertar na trave?
E se,sair da estrada de tijolos amarelos e correr por entre os campos sem a segurança do caminho certo?

A dúvida nasce quando descobrimos que as estradas bifurcam vezes sem conta, e vezes sem conta somos obrigados a escolher. Avançar? Recuar? Esquerda? Direita? Parar?
A dúvida instala-se quando, por fim arriscamos sem garantias de sucesso, ou até de conseguir manter-mo-nos naquele jogo.
A dúvida, essa, é companheira de quem não tem medo das regras e aceita-as ou não conforme a sua íntima convicção.
E é na dúvida que às vezes nos perdemos, desesperamos ou, até nos arrependemos.

Mas é também lá que aprendemos a olhar o nosso reflexo sem nos afogarmos nas águas.
É também lá que descobrimos os limites do que conseguimos, devemos e podemos atingir.
É também lá que vemos o que nunca veríamos se nos mantivessemos nas posições confortáveis dos tabuleiros já tão familiares.

Todos os dias amanhecemos peças de tabuleiro onde nos mascaramos, despimos, amamos, criamos, desafiamos, amedrontamos, seguimos ou paramos.

Como jogo esta manhã? Avanço sem medo, paro assustada ou continuo sem garantias de onde vou chegar?

Já podes jogar...


Liliana


 


 
Enviar um comentário