terça-feira, outubro 15, 2013

Amanhecer

Sentas-te ao meu lado na cama, passas a mão pelo meu corpo adormecido e dizes baixinho "não te deixes adormecer... faz-te bem sair daqui." Eu indiferente quieta dormente, aqui, sem estar em lado nenhum. E pensas "dorme, deixa-te estar, fica, chora, não fales, não olhes nem rias, mas volta, volta para mim que te quero aqui ao meu lado na cama, ao meu lado na vida, acordada, feliz... viva... dorme se é isso que queres."
O meu corpo enrolado nos teus olhos assustados, sem saberem o que fazer de mim, como desenrolar-me o corpo neles projectado e desenhar um novo amanhã raiado de sol. Mas nem ao sol reajo e nem o céu azul, brilhante de Verão, me faz levantar da cama e abrir a janela de mim para me aproximar do mundo.

O mundo inteiro é agora esta cama onde te sentas ao meu lado e falas sozinho, esperando o dia em que as palavras, ocas de tanto ditas, se desfaçam na parede e, por milagre, me façam acordar deste não ser nem estar em que estou.

Aqui, neste lado da vida tudo se passa mais calmamente. As horas giram em torno dos pequenos rituais que criaste. Os bons-dias dos miúdos com o pequeno-almoço, os comprimidos. O sono. O almoço acompanhado dos beijinhos, os comprimidos. O sono. A tarde que passa como um filme dentro do meu sonho e o lanche contigo sentado ao meu lado, os comprimidos. O sono. O escurecer do quarto de mãos dadas com o meu silêncio e o jantar no tabuleiro ao som do vosso jantar na cozinha, os comprimidos. O sono agora contigo ao meu lado, na cama, falando de coisas que não compreendo porque o que oiço é o acordar dos fantasmas da noite, os comprimidos. O sono, alterado incomodado interrompido, numa dança a muitos tempos que não consigo acompanhar. O nascer do dia espreitando pelas persianas e o sono leve que me embala até aos beijinhos do pequeno-almoço.

Sentas-te ao meu lado na cama e dizes baixinho "não te deixes adormecer... faz-te bem sair daqui." Fá-lo todos os dias, não porque aches que me vou levantar imediatamente, mas porque acreditas que um dia, como o sol, vou amanhecer.

Liliana



Enviar um comentário