sábado, agosto 03, 2013

A ti

O que dói não é perder-te
(nunca te tive)
O que dói é ter-te mal resolvido

O que dói é saber-me um erro no teu percurso
O que dói é o muito que não se disse e o que demais se falou
O que dói é a força do silêncio
O que dói é a rapidez com que o relógio gira
O que dói são as marcas, eternas, tapadas com areia
O que dói são caminhos paralelos separados sem razão

O que dói é saber o que sei e saber que o sei sozinha

O que dói não é perder-te
(nunca te tive)
O que dói é ter-te mal resolvido

Liliana



Enviar um comentário