domingo, janeiro 20, 2013

De volta a casa

Entro no carro e sigo sem direcção,
escolho o caminho ao sabor do vento.
Viro, subo, encosto e descubro o tanto
que tenho dentro de mim. 

Sigo pela margem
dum rio que desconheço, e que espelha 
a paisagem de tudo o que sou.

Há sempre descobertas nas viagens,
e esta ensina-me a olhar
para lá das mãos, cansadas do volante.

Entro no carro e sigo em direcção 
ao início, com esperança de sarar o agora
e consertar e futuro. Numa espécie
de salvação sintomática.

Ando à roda sem saber por onde seguir.
Nunca gostei de viajar sozinha.
Perco-me nos caminhos e nas curvas.

Encosto e saio do carro,  procuro
uma referência conhecida, que me 
remeta ao meu mundo.

Vejo Lisboa e as suas colinas.
Avisto o Tejo e as suas águas brilhantes.
Sinto o Luar e o seu abraço.

Estou de volta a casa!


Liliana