quinta-feira, junho 14, 2012

Suspiro...

Aperta-se-me o peito quando inspiro.

Procuro, vasculho no subconsciente um recorte que me ajude a entender esse espartilho que me prende.
As janelas não me mostram nada de novo e as palavras só me descrevem imagens conhecidas. 
Pergunto ao espelho se  a onda que me molha vem do mar que corre dentro de mim. Sorri para mim e confirma com a cabeça sem nada dizer.
Procuro a paz num suspiro profundo. Mas os músculos estão tensos e o corpo em alerta. Rodo o pescoço enquanto percorro o teclado com a ponta dos dedos. Nada me tranquiliza, nem a certeza de que o mundo continua sem mim, nem a força de te querer feliz, não tenho vontade de sonhar.
Levanto-me todas as manhãs apenas para vos dar a mão. Para manter este cenário onde estendo o arco-íris na corda da roupa e penduro o sol no varão das toalhas. Os meus sorrisos procuram encantar-te a ti, tanto quanto a mim. E a minha canção queria ser o embalo da minha alma.

Aperta-se-me o peito quando respiro. 

Luto comigo para soltar as minhas asas, mas sou eu própria quem as prendem e enlaça com cordas de mágoas. 
Saberei encontrar a ponta do fio com que me enrolo a cada madrugada e libertar a vontade e silenciar os medos e alegrar o pensamento?

Olho para a porta da ponta de cá do corredor. Puxo as cordas para esticar o arco-íris, mas não consigo fazê-lo voar.

Aperta-se-me o peito enquanto suspiro...

Liliana







Enviar um comentário