domingo, abril 17, 2011

Lua passageira...

A lua brilhava com aquela luz velada que tudo deixa mais bonito, mais elegante, mais sensual. Há noites assim, com o poder de envolver a realidade numa névoa de magia.


Naquela noite o luar encontrou o silêncio interno que permite a fusão entre a luz e a magia da lua com as palavras e sentimentos dos homens.


Um pouco por todos os campos, palavras espalhadas como estrelas cadentes fizeram poesia como quem faz amor. No mar, entre ondas e marés, ecoaram os cânticos mágicos das sereias e as histórias partiram em mil barcas de encantar, para todos os cantos do mundo.


Nas cidades adormecidas e afastadas da lua e das suas fases e da magia e das palavras e da poesia e do amor, a noite parecia apenas mais uma entre tantas, onde a lua, vaidosa, se mostrava cheia.


As barcas encantadas chegaram à costa, como noivas de mil véus sonhados, por sobre a águas calmas, espelhos iluminados pelo luar. As palavras e os sonhos e o amor voaram embrulhados em contos suspirados a cada janela aberta, a cada porta encostada... Aos poucos, acompanhando o nascer do Sol, acordaram os desejos, as lembranças, as saudades e despertaram o amor. Em cada rua, em cada esquina, em cada jardim, um sorriso nascia, um toque floria, um beijo desabrochava.


Há noites assim, com o poder de reacender no Sol uma névoa de magia...


Liliana

Enviar um comentário