quarta-feira, janeiro 21, 2009

Bora lá fugir à rotina Drummond?

- Peço-te por todos os santinhos... não inspires... Por favor, tem piedade! Não haverá nessa inconsequente saliência, nesse dois orifícios redondos, um pingo de decência?!?!

- Mau... assim não vais longe. Deixa-te lá de melodramas pá, já não te posso aturar! Que queres?
Eu não dou ordens aqui... fala com o gajo lá de cima. Não é a mim que tens de chatear, c'um caneco!
- Sabes que não é verdade... ele é um inconsciente... ele é um "Maria vai com as outras"!
Ele é que manda, ele é que manda... Tretas! Manda tudo e não manda nada! Sabemos bem disso. É um fraco! Não consegue resistir...
É a ti que eu peço. Por favor não inspires...
- Ó pá, és mesmo melga! Que gaita! Já te disse que eu só cumpro ordens, que queres?! Que faça greve? (como os outros?!) E depois, quem é que leva com aquelas porras dos esguichos de água do mar e o caraças, que atordoam um gajo todo e deixam um rasto que até queima? Ah, pois... agora já não te lamentas?!
Bem... Olha, fala com a maluca aqui de baixo, se ela se disponibilizar a inspirar eu até sou capaz de me contrair. Mas é só desta vez, que já não te posso ouvir!
- Obrigado pá, és um querido!
- Querido?! Que é lá isso?! Tem lá juízo, se não acaba já aqui a combinação...
- É pá desculpa... porreiraço, era isso que queria dizer, és um porreiraço!
*****
- Ó querida... ó princesa... ó lindinha... Olá! Isso mesmo, um sorrizo lindo p'ró vizinho aqui de baixo!
Ouviste a conversa, não foi? E então, fazes-me esse favorzinho, linda?
- Que dois chatos! Está bem, está bem, eu inspiro mas ficas-me a dever uma...
- Combinado! Tens uma boca linda, sabias?! Eh, eh...
Ups... Glup... cóf-cóf... Glup...
- Porra!!! Vocês estão doidos?! Ouve lá ó burra, quando é que já se viu inspirar um café?!?!
- Ó traqueia...desculpa... cóf-cóf... A culpa foi minha...
Desculpa lá o mau jeito, mas eu hoje já levei com quatro cafés em cima e não ia suportar o quinto! Ainda estou aqui todo contraído e cheio de dores por causa do último e aquele malandro lá de cima, que deve andar a dormir, não se controla pá!
É que é certinho, cada cheiro que que se aproxima... cada chávena que vê... pumba! Lá vai disto! E "quem se lixa é o mexilhão"! Irra!!!
Lembrei-me, de repente, duma coisa... será que o gajo pensa que é um cão?! É que, se bem me lembro, essa coisa dos reflexos condicionados não era com os homens...
- Enquanto te armas em estômago intelectual, vai-te preparando... café à vista...
- Bolas! Lá vou eu outra vez.
Ó narizinho, preciso de um favor teu... não inspires, não inspires por favor...

Liliana Lima 25/01/2006
Faz o que eu digo, mas não faças o que eu faço... ;)

*****************************************************



"A bunda, que engraçada.
Está sempre sorrindo, nunca é trágica.

Não lhe importa o que vai
pela frente do corpo. A bunda basta-se.
Existe algo mais? Talvez os seios.
Ora - murmura a bunda - esses garotos
ainda lhes falta muito que estudar.

A bunda são duas luas gémeas
em rotundo meneio. Anda por si
na cadência mimosa, no milagre
de ser duas em uma, plenamente.

A bunda se diverte
por conta própria. E ama.
Na cama agita-se. Montanhas
avolumam-se, descem. Ondas batendo
numa praia infinita.

Lá vai sorrindo a bunda. Vai feliz
na carícia de ser e balançar
Esferas harmoniosas sobre o caos.


A bunda é a bunda
redunda."


A bunda, que engraçada - Carlos Drummond de Andrade
(Ilustração de Milton Dacosta)
Enviar um comentário