sábado, novembro 12, 2016

verdade.iro

Sim, é negro o meu céu
É curto e apertado o espaço onde me penso
São muitas e confusas as linhas em que sinto

Sim, é íngreme o meu chão
São frágeis e finas as camadas que visto
É amarga a água que jorra de mim

Sim, é quente o Sol que me aquece
São verdes os campos que sonho
São puros os sorrisos que acendo

Sim, são estranhas as ideias que construo
São poderosas as palavras que me espreitam
É verdadeiro cada momento que vivo

Sim, é doce a água que de mim jorra
São fortes as camadas que me protegem
São muitas e confusas as estradas que percorro

Sim, é cruel o tempo que passa
São instáveis as casas que habito
É sempre longe, o amanhã

Sim, são amarelos os tijolos que colecciono
São vermelhos os sapatos com que danço
É verdadeiro cada momento que vivo

Liliana Lima



Enviar um comentário