segunda-feira, junho 09, 2014

onda

Deito-me ao teu lado como uma onda que se entrega à maré. Calma, ansiosa, sedutora ou apaixonada, a maré comanda o ritmo do meu suspirar.

O toque acontece antes de ser, o teu corpo embala o meu antes mesmo de puxares para ti a minha cintura. A onda quente que nasce no mais íntimo de mim, ganha forma ao aproximarmo-nos da cama que já nos conhece doutros oceanos.

O meu e o teu corpo na maré revolta da pele húmida. O teu corpo meu na entrega da onda que se desfaz em espuma e volta ao oceano ganhado força para, em nova onda se formar e novamente se desfazer em espuma que volta ao oceano e retorna para, por fim desaguar toda a água do mar na areia branca da praia deserta.

Deito-me ao teu lado e deixo que a cama seja praia, ilha que nos refugia do mundo e das horas e das agendas e das convenções. Deito-me e, devagar, com todo o tempo do mundo, enrolo-me em ti, qual areia molhada onde descansa a maré.


Liliana




Enviar um comentário