segunda-feira, julho 22, 2013

Medo

Afundo-me nas águas negras
das dúvidas, das inverdades dos dias.

São areias movediças com que me agarras
o corpo e prendes cada braço e cada perna.

Arrasto-me nesta estrada escura
onde tu és eu.

Tento encontrar o caminho certo,
a saída deste labirinto coberta com um véu.

Mas perco-me nas tuas garras
e afogo-me nos meus medos.

E afundo-me nas águas negras
das dúvidas, das inverdades dos dias.


Liliana



Enviar um comentário