sexta-feira, outubro 05, 2012

Caminhos

Cansada de procurar bifurcações no decurso da estrada, 
sento-me na beira e recuso-me a avançar.

Não vou, 
mas não fujo para dentro da sala em forma de concha com o mar a embalar os sonhos.
Não vou, 
mas não conto a história de pernas para o ar para agitar o chão e mudar o caminho.
Não vou, 
mas não minto a mim própria, olho para a frente e sei que caminhas longe das estradas, por entre as dunas, onde o vento te sussurra e o sol te aquece.

Cansada de tropeçar nas bifurcações da estrada,
olho para o caminho que fiz.

A cada passo uma curva.
A cada passo um desvio.
A cada passo um precipício.

Sento-me à beira da estrada cansada,
e olho o vazio que se me apresenta.

Procuro no bolso as migalhas dos sonhos impossíveis com que vou marcando no chão o caminho de regresso.

Para se um dia conseguir voltar.


Liliana



Enviar um comentário