quarta-feira, março 28, 2012

Janela..

Encosto a cabeça nos pés da cama, no vazio da noite as imagens ficam mais nítidas se vistas ao contrário...
Deixo que as pupilas se dilatam, para se habituarem ao luar, e espero que a luz recorte a minha sombra no chão do quarto. Procuro o barulho do mundo que me diz onde estou e me mostra o caminho, no meio de formas mal desenhadas.

Em segredo, velo o teu sono e penso como gostava que acordasses e olhasses por mim, que me ouvisses por entre as palavras que digo. Que o mundo me entendesse sem me explicar...
Não é isso que queremos todos, no final do dia?! Ser vistos sem nos despirmos, ser notados sem colocar a voz?!

Procuro os lençóis em silêncio como se tentando não te acordar. O frio da noite solitária abraça-me enquanto me embrulho nas memórias coloridas que me fazem sorrir.

Pergunto à lua se passarei melhor as noites olhando-as daqui. As estrelas agitam-se num esgar ensonado e d_e_v_a_g_a_r fecham os olhos.

Acordo com o sol a entrar, descarado, pelo quarto dentro. Estou atravessada na cama e o sono tomou conta das perguntas que fazia ao universo. Mais uma noite que se fechou num ciclo lunar que ainda agora começou.
Liliana

Enviar um comentário