quinta-feira, fevereiro 23, 2012

Que fazes com os dias que passam, Zeca?!

Nem sempre os dias que passam são passado. O vazio que fica de uma madrugada em branco também abafa a manhã que quer nascer num novo dia, escondendo-se atrás de sons e pequenos nadas, que nos acordam para uma verdade que não queremos ouvir...

Não, nem sempre os dias que passam ficam no passado. Quantos e quantos forçam a entrada numa palavra embrulhada em memórias que nos obrigámos a esquecer ao fechar a gaveta das águas passadas sem ver que, dos lados, a água fica sempre a escorrer...

Nem sempre os dias que passam ficam no passado. Adormecem, esmorecem, mas num qualquer dia normal, como tantos os outros, agitam-se num quadro que se rasga e deixa sair a maré que continha, numa praia deserta, e invade a realidade com uma onda sem fim...

Nem sempre os dias são dias passados. Revivemos os anos numa espiral de lembranças, recortes de memórias, gritos abafados, que nos chegam duma planície alentejana onde, aparentemente nada se passa e, no entanto, tudo se levanta.

Nem sempre os dias são dias passados. Arrumamos o estojo de primeiros socorros de palavras seguras e lugares perfeitos e levamo-lo connosco para tapar as feridas com um penso rápido, mas nem sempre elas ficam no dia que passa...

Liliana
(23 Ago 2010)



"Nem sempre os dias são dias passados
A ver os restos dum porto de abrigo
Quando era pequenino era soldado
Os cartuchos punha-os dentro do umbigo

Às vezes faço de conta que acredito
Nas cantilenas que ouvi do meu avô
Andava deus menino com um apito
Já o meu avô me aceitava como eu sou

A história não se sente ultrapassada
Por muito menos meu avô era ganhão
A história tem uma gémia malcriada
Só elas são as passageiras do vagão

Era portanto descabida tanta importância
Por muito menos meu avô fazia estrilho
Quando era pequenino era ordenança
Os cartuchos punha-os dentro do umbigo"

José Afonso
Enviar um comentário