quarta-feira, janeiro 25, 2012

Tu não sabes?!

Tu não sabes... Mas eu sei, que o teu olhar faz tremer a minha voz. Aquele aperto no peito que aperta mais forte quando te te vejo vendo através de mim, que me prende os movimentos e bloqueia a fala...

Tu não sabes... Mas eu sei, que a distância me dá a paz que procuro para deixar que cada bater do coração faça abanar o meu mundo e desarrumar as prateleiras que, com tanto cuidado, tento preservar das tempestades tropicais...

Tu não sabes... Mas eu sei, que posso ficar à beira do abismo em cada "Olá" que me dás. Hesitando no deixar-me enrolar pela onda que espreita à beira-mar e me chama, como a sereia enfeitiçando os marinheiros em alto mar...

Tu não sabes... Mas eu sei, que cada aperto de mão pode ser um passo, em frente rumo à espada atrás rumo à parede, uma valsa comigo própria... Avanço? Recuo? Magoo-me... Por isso me fixo, estátua, rasgando o chão à força das raízes que lanço para não me deixar voar com o vento...

Tu não sabes... Mas eu sei, que os silêncios e as palavras não-ditas doem mais que mil gritos à lua, porque ecoam no ar infinitamente não deixando adormecer os olhos na tranquilidade das planícies que sabemos verdadeiras...

Tu não sabes... Mas eu sei, que o vai-vem da maré traz à costa as conchas partidas, arrancadas às rochas pela força das 'águas que batem e fogem num eterno regresso, deixando na praia a lembrança triste dos destroços da noite...

Tu não sabes?

Mas eu sei!




Liliana

Enviar um comentário