terça-feira, dezembro 13, 2011

O peso da palavra ADEUS


A vida mostrou-me cedo o cheiro acre, sabor azedo e textura áspera da palavra ADEUS.

A Lua, nas noites brancas e calmas, sussurra-me do alto da sua sabedoria que as estrelas deixam de cintilar por milésimos de segundo sempre, e de cada vez, que se pronuncia um novo "adeus".

O lusco-fusco encerra em si toda a força da respiração ritmada, do calor dos corpos e do suor das vontades. Quando o Sol se põem nos olhos dos amantes, esta palavra temida, séca e enruga os sonhos, o prazer e o desejo, cobrindo os passeios dum manto de folhas mortas que choram das árvores mais um "adeus".

Procuro um significado novo para colorir esta junção de letras A D E U S, mas encontro apenas o vazio. Não há outro caminho quando se chega ao fim da estrada. Apenas o vazio escuro dum corredor onde, aos poucos, se desenham novas portas com maçanetas coloridas e caminhos por descobrir.

...até ao novo "adeus"...
Liliana

Enviar um comentário