domingo, dezembro 21, 2008

São precisos dois para dançar a Valsa, Chico...

(segundo de três ensaios para "Valsinha" de Chico Buarque)


Sinto-me esgotada… há uma sensação de cansaço profundo que me invade desde há dias (ou serão anos?!)... Não é cansaço físico, estou em plena forma, faço exercício todos os dias, alimento-me bem, durmo sete horas por dia, mas... sinto-me desanimada!

Trabalho no Ministério da Justiça, tenho um horário óptimo que me permite sair às 17:00 e fazer o que me apetece. Saio e vou ao Ginásio, faço yoga, pilates, alongamentos, sei lá, faço tudo o que há para fazer. Mas ultimamente sinto-me sem vontade… não sei o que se passa, ando assim há dias (ou serão anos?!)… Tinha outros planos para estes finais de tarde, pensava que ficaria a tomar conta dos filhos, mas eles nunca aconteceram...

O meu marido trabalha num banco, é gerente de balcão, e nunca chega a casa antes das 21:00, acabo sempre por jantar antes dele chegar. Quando casámos fazíamos tudo em conjunto, parecíamos umas lapas! Queríamos ter três filhos, casa de férias e fazer muitas viagens!

Costumo ir ao ginásio ao fim da tarde, adoro descer a Infante Santo e olhar o Tejo! Nos dias de Sol tem um azul cintilante, e nos dias de nevoeiro parece uma passagem para a “Quinta Dimensão” com um manto cinzento que flutua em cima das águas. Nestes dias nem tenho ido ao Ginásio, nem tenho visto o Tejo, ando desanimada, sem vontade de fazer nada…

O meu marido nunca chega cedo, por isso faço o jantar, arranjo-lhe o prato e vou para o sofá com um tabuleiro fazer zapping pelos canais do costume, à procura das séries do costume, sozinha comme d'habitude… Quando casámos íamos ao cinema todas as semanas!

Este cansaço imenso que me invade desde os últimos dias (ou serão anos?!) é que me está a atrapalhar a vida… Já nem ao Ginásio me apetece ir. Quando casei pensava ter três filhos, um é pouco, dois é piroso, três é o número certo! mas nunca aconteceu...

Sinto-me esgotada, não fisicamente, estou em boa forma. Mas não sei o que se passa, tenho andado triste, invade-me uma falta de ânimo a cada minuto (ou será a cada ano?!)…

Quando o meu marido chega, estou tão cansada que muitas vezes já adormeci. Ainda nem lhe consegui falar deste assunto, não tive tempo, ele tem uns horários horríveis… Quando casámos parecíamos duas lapas, fazíamos tudo juntos!

Quem sabe um destes dias lhe telefono e ele vem mais cedo para casa e janta comigo e vamos os dois ver o Tejo à noite espelhar as luzes da cidade… E se ligar hoje?!


LL 19-04-2006

(para não perder de vista a "banda sonora", aqui fica novamente)

"Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a dum jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto convidou-a pra rodar
Então ela se fez bonita com há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços com há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar
E ali dançaram tanta dança que a vizinhanca toda despertou
E foi tanta felicidade que toda cidade enfim se iluminou
E foram tantos beijos loucos
Tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz"


Valsinha - Chico Buarque

Enviar um comentário